Pablo puxa trio, anima camarote e prova que dor de amor é para todos

O cantor sertanejo Luciano, irmão de Zezé de Camargo, foi o convidado de Pablo para o bloco Tô Ligado, no sábado de Carnaval, no circuito Barra-Ondina

Você pode gostar de Tchaikovsky, mas, amigo, não tem jeito. Se você ouve Pablo, em algum momento vai sentir uma saudade doída de alguém, um negócio que invade o fundo da alma.

Por isso, quando o rei da sofrência começou a tocar no bloco Tô Ligado, no sábado, bem no Farol da Barra, só existia uma pergunta a fazer àquele pessoal que dança com cara de quem comeu e não gostou: “De quem você se lembra quando ouve essa música?”, indaguei ao técnico em iluminação Danilo Moraes, 23 anos, bem na hora que o baixinho da voz mais fina do Brasil largou ‘Porque Homem Não Chora’. “Rapaz, eu me lembro de Manuela”, admitiu. “Manuela? Fale-me sobre Manuela”, fui na ferida. Assim começou o divã da avenida.

O cantor sertanejo Luciano, irmão de Zezé de Camargo, foi o convidado de Pablo para o bloco Tô Ligado, no sábado de Carnaval, no circuito Dodô (Barra-Ondina) (Foto: Mauro Akin Nassor)

“Rapaz, Manuela me ama, mas não sabe. A mulher só fica no baratino. Me maltrata demais. A gente fica hoje e ela some uns 10 ou 15 dias”. “E você veio pra cá pra quê, bróder? Você gosta de sofrer, é?”, cutuquei. “É porque aqui a gente não se sente sozinho. Veja a quantidade de gente na mesma situação”, explicou Danilo, que tem todos os CDs de Pablo e, certamente, acordou no dia seguinte ouvindo um.

“No meu aniversário, a gente bebeu de meio-dia às 11h da noite. Se eu te disser que só tocou Pablo, você acredita? Só sofrência, irmão”, garantiu, a essa altura sofrendo com o sucesso Bilu Bilu. “Sem você não chego a lugar algum, me dê mais uma chance meu bilu bilu bilu”. Mas Danilo quase teve uma síncope amorosa mesmo foi quando Pablo inventou de tocar Tá Fazendo Falta. “Hoje eu vi você com outro alguém. Não acreditei. Foi aí que a ficha caiu. Desabou meu mundo”, cantava.

O operador de máquinas Marcelo Lemos, 23 anos, é um pouco mais plantado. Prefere dividir a sofrência em partes. Não sofre por uma só. “Rapaz, quando eu ouço Pablo me lembro de Vanessa, Néia, Taíse, Letícia, Ingrid, Fabrícia, elas todas”. “Ah, bróder, mas sempre tem uma que bate lá no fundo. Quem é?”, insisti. “Rapaz, aí é Vanessa. Ainda sou apaixonado por Vanessa, a mãe do meu filho”.

“Sério? E por que vocês não estão juntos?”, perguntei. “Rapaz, o problema de Vanessa é que ela é descarada. Você sabe que a gente só gosta de mulher assim, né?”. “Eu não sei de nada, pai. Mas não tem jeito mais com Vanessa, é isso?”. “Tem não. Já chorei demais por ela. Essa coisa de que homem não chora é loucura de Pablo”. Hoje a trilha sonora da vida de Marcelo é Vingança de Amor. “Tá doendo é? Tá chorando é?”. Vanessa agora que se vire pra achar homem melhor.

O encanador Milton de Oliveira, 34 anos, é uma espécie de Bentinho das serestas. O personagem de Dom Casmurro morreu sem saber se foi traído por Capitu. “O nome dela é Patrícia. Ela diz que não rolou com o cara lá, mas não acredito nela não. Aí terminei”.

Na dúvida, Milton não perdoa e curte Pablo. Quase enlouquece com o hit Agora. “Quero ouvir toda a verdade, nem que seja pra me machucar”. Foi quando Milton não perdoou o repórter e provocou. “Mas você fica aí querendo saber de minha vida. Venha cá, você se lembra de quem quando ouve Pablo?”. “Rapaz, ela se chama…”.

Dor de cotovelo com estilo no Camarote Salvador
Com tantas mordomias, os foliões do Camarote Salvador 2015 não têm do que reclamar certo? Errado! Apesar de todo o luxo oferecido pelo empreendimento, conhecido por ser o espaço com o metro quadrado mais bonito do Circuito Dodô, ainda há quem reclame.

Mas o problema não está no serviço vipérrimo do camarote e sim na “dor de cotovelo” daqueles que sofrem por amor. Não é à toa que o ‘Rei da Sofrência’, o cantor de arrocha Pablo, foi um dos escolhidos para animar o Palco Praia.

Com a coreografia em dia, a servidora pública Fabiana Amaral Dias aproveitou o show para enterrar as mágoas: “Quem nunca sofreu por amor? Mulher, então… Só sofre!”, resumiu a loira, enquanto dançava com a mão na cabeça, a música Fui Fiel.

Para Pablo, a “sofrência” independe de classe econômica e social. “Afinal, quem não sofre por amor?”. Ele conta que, no passado, existia um preconceito de que as pessoas mais favorecidas não curtiam o arrocha, pensamento que, segundo ele, não existe mais.

“Muito pelo contrário. Prova disso é o show aqui [Camarote Salvador], que está lotado”, declarou. E ele não está errado. Disputou a atenção dos foliões do Camarote Salvador 2015 com nada menos do que o DJ francês Bob Sinclar.

Fonte: Correio 

Pablo traz arrocha para folia ao lado de Luciano: ‘Sofrimento faz parte’

Rei do arrocha puxa bloco “Tô Ligado” no circuito Barra / Ondina.
Luciano, da dupla Zezé di Camargo e Luciano, faz participação.

Pablo, o rei da 'sofrência' começa o desfile no circuito Barra-Ondina (Foto: Mauro Zaniboni /Ag Haack)

Pablo, o rei da sofrência, arrasta multidão em desfile no circuito Barra-Ondina (Foto: Mauro Zaniboni /Ag Haack)

A sofrência invadiu o carnaval de Salvador com o desfile do cantor Pablo neste sábado (14), no circuito Dodô (Barra/Ondina). À frente do bloco “Tô Ligado”, o músico arrasta uma multidão de foliões ao lado de Luciano, da dupla Zezé di Camargo e Luciano.

Antes do show, Pablo falou com o G1 e falou sobre o ritmo que, segundo ele, “pode ser uma boa oportunidade pra quem está chorando por um amor”. “Quem tá sofrendo vem pra cá, chora um pouco, mas depois já pode encontrar uma pessoa bacana. Quem sabe um novo amor…”, brincou.

Cantor Luciano é o convidado do cantor Pablo para cantar com ele no trio elétrico (Foto: Artur Queiroz/Arquivo Pessoal)
Cantor Luciano é o convidado do cantor Pablo 
(Foto: Artur Queiroz/Arquivo Pessoal)

Já para Luciano, o sofrimento presente nas letras de algumas canções do arrocha combina com o carnaval. “Essa é a única festa em que a gente para por uma semama pra poder se divertir, celebrar a vida. E como a vida não é só feita de alegria, esse sofrimento faz parte”, disse Luciano ao G1.

Foliã do bloco, Deise Santos, de 29 anos, disse ter um motivo especial pra trocar o agito dos trios de axé pelo arrocha. “Eu tava casada com um homem que era meu amor, meu marido, meu amante. Mas agora acabou! Vou sofrer aqui um pouquinho, mas daqui a pouco eu to boa”, garante. Já a cordeira Maria Santos, de 42 anos, conta que “não abre mão da sofrência”. “Eu tava apaixonada, sofrendo de amor, mas aí fui traída e ouço Pablo o tempo todo”.

O pintor Lucas Araújo, de 23 anos, é outro que garante não abrir mão da sofrência na folia. “Nunca cheguei a sofrer, não. Mas gosto de ouvir essas músicas porque elas fazem a gente pensar na vida, no passado, em alguém que a gente deixou e sente saudade”.

No Carnaval deste ano Pablo ainda leva o seu romantiamo a uma apresentação em um camarote no circuito Dodô.

 

Fonte: G1

Pablo foi eleito Campeão pelo Youtube

YouTube divulga lista com os cinco hits do Carnaval 2015

Lista elege as músicas do Carnaval de Salvador mais reproduzidas no site de vídeos

Pablo comemora sucesso repentino  Foto: Facebook / Reprodução

Se no ano passado o Carnaval foi dominado pelo agito de “Lepo Lepo”, do cantor Psirico, a edição 2015 será, se a previsão do YouTube se confirmar, bem mais diversificada: segundo o ranking das músicas carnavalescas que mais foram reproduzidas no site de vídeos nas últimas semanas, o espaço das marchinhas será dividido entre canções românticas, samba, axé e até uma homenagem aos que estão acima do peso.

A lista, divulgada pelo site do Google nessa quarta-feira, faz parte do Prêmio YouTube Carnaval, que reconhece as músicas mais populares do Carnaval de Salvador 2015. O grande campeão foi o cantor Pablo com a música “Porque homem não chora” , que, desde maio de 2014, possui mais de 13 milhões de visualizações. Ele superou nomes tradicionais do Carnaval baiano, a exemplo de Psirico e Parangolé, que também figuram no top 5.

Outro que também pode ser considerado novidade entre as figuras carimbadas do Carnaval é Neto LX, um jovem de 26 anos que canta o bem-humorado hit “Gordinho gostoso”, que busca inverter os padrões de beleza por meio de um refrão pegajoso. Seu clipe tem mais de 2,6 milhões de visualizações em menos de três meses no ar e é, de acordo com o YouTube, o segundo mais famoso da folia soteropolitana.

Fonte: Veja

 

Fã de Zezé e Luciano, Pablo quer “arrochar” o Carnaval

Confiante com sucesso repentino, cantor diz não sentir pressão de ser destaque em Salvador: “levo minha música aos quatro cantos do mundo”

Pablo comemora sucesso repentino  Foto: Facebook / Reprodução

Pablo – A Voz Romântica ou Pablo do Arrocha? Tanto faz. A verdade é que o cantor baiano, de repente, virou um sucesso nacional, ultrapassando as barreiras dos ritmos nordestinos e chamando a atenção para um novo estilo musical: o arrocha.

Bom, nem tão novo assim. O termo arrocha é recente e teve o próprio Pablo como pioneiro, na cidade de Candeias, interior da Bahia, em 2001. Mas o ritmo é bem antigo, vem desde os anos 1970. Já foi conhecido como brega, tecnobrega e brega moderno, já tendo nomes como Odair José, Fernando Mendes, Waldick Soriano e, o mais conhecido, Reginaldo Rossi como personagens.

Mas para Pablo o arrocha vai além disso, e foi criado mesmo é por ele. “O arrocha veio da Bahia. Eu que criei o gênero há 15 anos, quando eu falava arrocha para os casais dançarem agarradinho na antiga seresta”, disse ele, em entrevista exclusiva ao Terra.

E não está totalmente equivocado. Apesar de características conhecidas, o arrocha já é reconhecido como um ritmo musical independente de seus semelhantes e foi de fato criado pela voz de Homem Não Chora,  através de uma parceria com o amigo Nelsinho no Grupo do Arrocha.

Carnaval em Salvador e a pressão de ser destaque

Apesar de seu sucesso ser recente para o restante do Brasil, Pablo é uma sensação na Bahia há muito tempo. No Carnaval de Salvador, se apresenta há três anos, sempre como destaque, o que tira a pressão de ser um hit de verão. “O Carnaval já faço há três anos. O público cobra bastante, mas é muito gostoso. Levar o arrocha na avenida, ter milhões de pessoas te seguindo…”, lembrou, em clima nostálgico.

Mas nem adianta pedir um clima de agito e ostentação. O negócio de Pablo é romance. “Eu não falo de ostentação, falo do amor como ele é vivido e sentido. Talvez por isso as pessoas se identifiquem tanto”, garantiu, revelando, inclusive, seus grandes ídolos na música: “Zezé Di Camargo e Luciano.”

Terra - Você já deve ter percebido que o arrocha, assim como o funk, tem se tornado um tipo de ritmo acompanhado de letras que ostentam a riqueza dos músicos que as escrevem. Na raiz, o arrocha é um estilo de música romântico, como você também. Você aprova essa nova trilha que está sendo traçada pelo estilo?

Pablo -  O arrocha que eu faço é o arrocha romântico. Eu não falo e nem me envolvo com ostentação, falo do amor e como ele é vivido e sentido. Talvez por isso as pessoas se identifiquem tanto.

A música baiana é nacionalmente conhecida pelo axé e ritmos baseados na percussão. Estilos de “música brega” como o arrocha são mais populares em regiões mais ao norte. O arrocha, no entanto, é de origem baiana. Como você acredita que essa formação tenha ocorrido?

O arrocha veio da Bahia. Eu que criei o gênero há 15 anos, quando eu falava arrocha para os casais dançarem agarradinho na antiga seresta. Então, o pessoal não falava mais que ia pra seresta e sim pro arrocha. O arrocha é genuinamente um ritmo baiano. Criado na cidade de Candeias.

E agora que você alcançou um sucesso nacional, como está sendo a preparação para esse Carnaval? Você se sente mais destacado e, consequentemente, pressionado?

Não. Eu continuo fazendo meu trabalho, levando minha música para os quatro cantos do mundo. O Carnaval já faço há três anos. O público cobra bastante, mas é muito gostoso. Levar o arrocha na avenida, e ter milhões de pessoas te seguindo…

Inclusive, você já tem uma boa experiência em participar do Carnaval de Salvador. Qual a principal virtude que um artista deve ter para conseguir contagiar um público que enfrenta uma verdadeira maratona, com muito sol e calor, para conseguir acompanhar os shows?

Deixar o público animado, sempre, e fazer com que esses obstáculos não os façam desistir de estar ali com você. Eu sempre saio à noite com meu bloco.

Homem Não Chora  é um grande hit do verão 2014/15. Você consegue explicar em palavras o que seria esse movimento da “sofrência” que se formou em torno da música?

A sofrência é uma expressão do povo. Muito divertida, por sinal! Pra mim, sofrer pode ser de vários modos, por uma música que te faça lembrar de alguém, uma saudade, uma briga, um término, uma traição…

Qual você acredita ter sido a inspiração para Homem Não Chora?

Não sei bem. A música não é de minha autoria. É do amigo Roni dos Teclados. Mas, sem dúvida, essa música é da sofrência. Linda letra, com arranjos exclusivos.

Fonte: Terra

Pablo do Arrocha, o “Rei da Sofrência”, dá entrevista ao Brasília Pop

Após ganhar todo o Brasil com as músicas românticas e dançantes do Arrocha, e também ter sido uma das principais atrações do Réveillon de Salvador, na Bahia, o cantor Pablo desembarcou em Brasília para uma super apresentação na casa de shows Villa Mix.

 Em entrevista ao Brasília Pop, Pablo contou a emoção de estar fazendo muito sucesso pelo Brasil, especialmente na capital federal. “Foi a segunda vez que me apresentei em Brasília. A primeira vez que eu vim, em 2014, foi com o meu disco atual “‘É só dizer que sim’. Fiquei muito feliz em voltar e ter recebido o carinho da galera brasiliense, principalmente pelo andamento da minha carreira aqui”, disse Pablo.
Na Noite da Sofrência, a boate Villa Mix recebeu um público diversificado para ver e ouvir a voz romântica do arrocha. Pablo apresentou grandes sucessos como “Fui fiel”, “Tudo ou nada”, “Jogo de sedução”, “Baby” e “Quase me chamou de amor. Mas os  fãs do cantor nascido em Candeias, na Bahia, estavam mesmo eram ansiosos para escutar a canção sensação dos apaixonados: “Porque homem não chora”. A música é sucesso nos bares e festas e já entrou no repertório de vários artistas nacionais.
Atualmente no casting de uma das maiores gravadoras do país, a Som Livre, Pablo tem sua carreira marcada pelas serestas nordestinas, de onde surgiu “acidentalmente” o movimento Arrocha. “O Arrocha veio de uma expressão que eu usava quando tocava no grupo Asas Livres. Durante as músicas, nos shows de seresta, eu falava ‘arrocha’. As pessoas gostaram e deram esse nome ao movimento, que graças a Deus conquistou o Brasil. É a mesma coisa com o Pablo ‘O rei da sofrência’, que o público também intitulou. A sofrência é pelo fato das minhas canções serem românticas e eu cantar expressando como se estivesse vivendo a situação da música”, confessou Pablo.

O rei do arrocha ou o rei da sofrência, Pablo se inspirou em cantores como Rick & Renner, Zezé di Camargo & Luciano e Waldick Soriano para levar seu trabalho aos fãs de todo o Brasil. “Sou grato a esses artistas por fazerem parte da nossa Música Popular Brasileira”. Com a agenda lotada, Pablo se prepara para uma maratona de shows na maior festa popular do mundo, o Carnaval de Salvador. “Estou fazendo shows de segunda a segunda. Estou acostumado com essa vida corrida. A cada dia o nosso trabalho vem crescendo. Estamos conquistando nosso espaço e estamos preparados para o que der e vier”, contou Pablo. No Carnaval, Pablo canta em 13 de fevereiro no Camarote do Nana, dia 14 no bloco Tô Ligado e dia 15 no Camarote Harém.


FRANCISCO WELSON XIMENES / BRASÍLIA POP
brasiliapop@brasiliapop.com
Foto: Divulgação

Pablo no Programa Encontro com Fátima Bernardes – Veja vídeos

Veja alguns trechos.

Porque homem não chora’, sucesso do cantor Pablo abre o Encontro

Pablo canta sucesso ‘Fui fiel’ e levanta a galera da plateia

Pablo, rei do Arrocha conta como virou também o rei da ‘sofrência’

 

Atenção – Show 03/01 cancelado em Goiana – PE

O show do cantor Pablo que iria acontecer hoje, dia 3 de Janeiro, na cidade de Goiana(PE), foi cancelado devido a uma manifestação desde às 14h na Rodovia Oswaldo Rabelo, que impossibilitou a chegada da sua técnica ao local do evento para montagem, já que a equipe ficou quase 12h paralisados. A pista só pode ser liberada às 23h. Certos de podermos contar com a compreensão do público e da imprensa presentes no evento, lamentamos o ocorrido, e nos colocamos à disposição para quaisquer esclarecimentos.
Uma nova data será divulgada pela organização do evento.

AG Produções e Eventos
Escritório do cantor Pablo

Neymar canta Pablo com amigos: “eetaaa sofrençaaaa”

Curtindo férias no Brasil, o atacante Neymar postou um vídeo no Instagram em que aparece com um grupo de amigos cantando “Porque Homem Não Chora”, sucesso de Pablo. Neymar puxa o coro, que é seguido pelos amigos logo em seguida.

“Resumindo a #SemanaMaluca… eetaa sofrençaaaaa!!!”, postou o jogador, também em referência ao estilo de Pablo.

Neymar deve passar o Réveillon em Trancoso, na Bahia, e depois retorna para a Espanha. O Barcelona volta a campo no dia 4 de janeiro contra o Real Sociedad, pela Liga Espanhola. Confira aqui.

Fonte: Ibahia